Não sabemos cuidar daquilo que temos de bom’, diz historiador sobre incêndio do Museu Nacional

O incêndio da mais antiga instituição científica do país que abrigava mais de 20 milhões de itens, o Museu Nacional, localizado no Rio de Janeiro, causou revolta entre historiadores e estudiosos.
 

Verba destinada ao Museu Nacional encolhe R$ 336 mil entre 2013 e 2017, aponta consultoria da Câmara
Fóssil 'Luzia', múmias egípcias, sala dos dinossauros: o que havia no museu
 
O fogo que começou na noite de domingo (2) destruiu todo o interior do prédio, que tem três pavimentos e mais de 9 mil metros quadrados de área útil. De acordo com um bombeiro que participou da operação, a falta de água atrasou o trabalho.
O historiador Roberto DaMatta, de 82 anos, atualmente professor da PUC-Rio, trabalhou como estagiário no museu e chegou até a chefia do departamento de antropologia da instituição. Ele se orgulha de ter trabalhado 17 anos no local e lamentou, com revolta, a perda “inominável” do acervo.

 

Saiba mais em G1.