Brasil não avança em ranking mundial de proficiência em inglês e perde 12 posições

O Brasil segue no grupo de países com "proficiência baixa" em inglês, segundo a edição 2018 do Índice de Proficiência em Inglês (EPI, na sigla em inglês) divulgado na manhã desta terça-feira (30) pela EF Education First, empresa de educação internacional especializada em intercâmbio. Neste ano, o país registrou a pontuação de 50,93, menor do que a de 2017, que foi de 51,92, o que fez com que o Brasil passasse da 41ª posição para a 53ª.
As 12 posições perdidas pelo país foram ocupadas por nações que não haviam sido incluídas no ranking de 2017 e por Uruguai, Ucrânia, Macau (região da China avaliada separadamente), Chile e Paquistão (veja o ranking completo ao final da reportagem).
 

Entenda o índice
 
O EPI foi criado em 2011 pela EF para comparar a proficiência média em inglês de adultos que fizeram um teste padronizado de inglês em larga escala oferecido gratuitamente pela internet. Para que um país seja incluído, é preciso que um número mínimo de seus cidadãos tenha feito o teste. Nesse ano, 60% das pessoas que fizeram o teste são mulheres, e a idade média dos participantes foi de 26 anos.
O EPI tem cinco categorias de proficiência: "muito alta", "alta", "moderada", "baixa" e "muito baixa". N EPI, o Brasil sempre esteve no grupo de proficiência "baixa", com exceção de 2012, quando foi "rebaixado" à proficiência "muito baixa".
Para chegar ao nível "moderado", o Brasil precisaria ter subido quase um ponto no índice em 2017, mas o que ocorreu foi uma queda de quase um ponto.
Nesse ano, 13 novos países entraram no ranking: Afeganistão, Albânia, Bielorrússia, Bolívia, Croácia, Etiópia, Geórgia, Honduras, Líbano, Mianmar, Nicarágua, Senegal e Uzbequistão. Outros seis ficaram de fora: Angola, Camarões, Catar, Cuba, Laos e Mongólia.

 

Saiba mais em G1.